Miriti perde força de atração, apesar do sol, e ganha a cena curiosa de evangélicos em trajes incomuns no local

15/07/2013 | 09:00

Em plenas comemorações dos 81 anos da Princesa do Solimões, o maior balneário público de Manacapuru não reviveu os momentos que sempre deslumbraram os visitantes que lá passaram o fim de semana. Em pleno domingo, o marasmo tomou conta do balneário do Miriti, apesar de muito sol e da exuberância da natureza, oferecendo o tradicional banho de rio.

O Miriti, que sempre foi palco da muvuca tradicional de banhistas, parece ter perdido a força de atração. Mesmo assim, não deixou de mostrar sua exuberância majestosa para receber o pequeno público que foi até lá resfriar-se do calor escaldante.

O público pequeno mostra que o MIriti precisa de incentivo governamental para ganhar nova injeção de frequentadores. Fotos: Zeg Deg

O público pequeno mostra que o MIriti precisa de incentivo governamental para ganhar nova injeção de frequentadores. Fotos: Zeg Deg

 

Divino e o profano

Evangélicos que passaram o fim de semana em Manacapuru não resistiram o calor e, antes de voltar a Manaus, deram uma paradinha no majestoso Miriti. As saias, vestidos longos, calças compridas e camisas de mangas, em meio a banhistas que usavam pouco ou quase nada de roupas, acabou se tornando a mais curiosa do fim de semana.

Os trajes dos evangélicos, digamos, pouco adaptados ao balneário, chamaram atenção no fim de semana

Os trajes dos evangélicos, digamos, pouco adaptados ao balneário, chamaram atenção no fim de semana

De saias longas e calças compridas, eles não hesitaram em aproveitar as águas convidativas do Miriti

De saias longas e calças compridas, eles não hesitaram em aproveitar as águas convidativas do Miriti